De olho no funcionamento do ferry-boat da Baía de Guaratuba


O deputado federal Filipe Barros recebeu ofício do Comandante do 8º Distrito Naval da Marinha do Brasil, vice-almirante Guilherme da Silva Costa, em resposta ao pedido encaminhado, no dia 03 de fevereiro, sobre investigação junto à empresa BR Travessias que à época operava como concessionária dos serviços de ferry-boat na Baía de Guaratuba. A Marinha do Brasil, por intermédio da Capitania dos Portos do Paraná (CPPR) fiscaliza esta travessia.


Em janeiro, um dos atracadouros que integram o ferry-boat afundou, e diante do risco aos cidadãos e de Estado de Calamidade declarado pelo município de Guaratuba, o deputado federal Filipe Barros solicitou ao comando da Marinha Brasileira a investigação sobre as atividades da empresa operadora dos serviços e sobre as responsabilidades do poder público estadual nos atracadouros e na concessão.


Na ocasião, o Governo do Estado do Paraná havia declarado que não rescindiria o contrato com a concessionária BR Travessias.


Porém, diante das inúmeras denúncias sobre irregularidades com repercussão nacional, o governo estadual voltou atrás e contratou, no dia 10 de fevereiro, a empresa “INC Internacional Marítima” que até o momento opera no chamado período de transição, mas que já registrou problemas mecânicos em uma das embarcações que saiu da rota de navegação no início deste mês.


Resposta - Na resposta ao deputado Filipe Barros, o comandante do 8º Distrito Naval, descreve que a empresa que operava anteriormente, a BR Travessias, passou por inspeções e vistorias gerais, “resultando em emissão de notificações, inquéritos administrativos, autos de infração”. O ofício diz ainda que “dado ao acúmulo de irregularidades e à falta de proatividade da BR Travessias para a solução de problemas recorrentes, o Governo do Estado contratou nova empresa”.


O Comando da Marinha destaca que a nova empresa contratada, a “ INC Internacional Marítima”, participou de reunião com a Capitania dos Portos do Paraná (CPPR) e o DER-PR quando foi “orientada sobre as necessidades dos serviços relativos à operação, recuperação e manutenção das embarcações e flutuantes de atracação para a garantia da segurança da navegação”, relata o ofício.


“A CPPR incentiva toda a sociedade a auxiliar a fiscalização do tráfego aquaviário por meio do Disque-Segurança da Navegação (41) 3721 1542 ou pelo e-mail da ouvidoria cppr.ouvidoria@marinha.mil.br”, ressalta o ofício.


O deputado federal Filipe Barros afirmou que seguirá vigilante em relação à segurança deste serviço. “Estamos atentos, pois são milhares de cidadãos paranaenses e pessoas que visitam nosso Litoral e que precisam desta salvaguarda”, disse Filipe.




0 visualização0 comentário